ÉVORA

_MG_5238 2

 IMG_3430

IMG_3448 2

IMG_3451

_MG_7521

IMG_3455

IMG_3454

IMG_3465

_MG_5078 2

_MG_5081

_MG_5074

_MG_5235 2

_MG_7507

IMG_3433

_MG_7503-2

_MG_7506

_MG_5201 2

_MG_5206

_MG_5219 2

_MG_5229 2

_MG_5125

_MG_5093

_MG_5110

_MG_5140

_MG_5069

_MG_5072

_MG_5061

_MG_5063

IMG_3431

ÉVORA

Situada a 1h30m de Lisboa, Évora é uma cidade histórica no coração do Alentejo, conhecida como a “cidade museu” .
Está classificada desde 1986 como Patrimônio Cultural da Humanidade.

A cidade viveu várias vidas: romana até ao século V, pertenceu depois aos visigodos até ao século VIII, aos mouros durante quatro séculos e, finalmente, aos portugueses desde 1165.

No Centro histórico da cidade encontra-se o antigo Templo Romano de Évora, também conhecido por Templo de Diana.
Suas muralhas guardam ruas e edifícios praticamente inalterados ao longo do tempo.

É clara a presença da influência religiosa na cidade, nas suas muitas igrejas e mesmo no Colégio do Espírito Santo, hoje Universidade de Évora, onde os jesuítas ensinavam.

Por onde quer que ande, o que sempre marca é a arquitetura das casas, que são caiadas de branco, porque no Alentejo faz muito calor e a cor branca torna a casa mais fresca, protegendo-a dos raios solares.

Vários monumentos e lugares importantes merecem uma visita,

nomeadamente o Templo Romano, a Sé, a Biblioteca Pública, inúmeras igrejas, o Palácio de D. Manuel, a Praça do Giraldo e a Capela dos Ossos, que é totalmente construída com ossos humanos.

A excelente gastronomia alentejana torna este local único. A cozinha tradicional tem por base a carne de porco e de borrego, azeite, o pão e as ervas aromáticas dos campos e das ribeiras, que tornam rica a cozinha popular, e dão vida à açorda, ao ensopado de borrego, à sopa de cação e aos pratos de caça. Ao lado desta, a tradição conventual, e a sua doçaria à base de ovos, amêndoas e gila – pão de rala, encharcadas, barrigas de freira.

Évora is a historical town located in the heart of Alentejo, about 1h30m away from Lisbon. It is colloquially known as “cidade museu” or museum city, and it has been classified as a World Heritage Site since 1986.

The city has changed hands a few times over the centuries, first being part of the ancient roman empire, until it was taken by the visigoths in the 5th Century. Like the rest of the southern Iberian Peninsula, it was under muslim control after the 8th Century, finally being taken by the Portuguese during the reconquest in 1165.

In the center of the city there is an ancient roman temple, also known as the Temple of Diana. Its walls surround streets and buildings that have remained practically unchanged over time.

There is a clear religious presence through the city through its many churches. Even the University of Évora is located in the old Jesuit “Colégio de Espirito Santo”.

Wherever you go,  houses painted in bright white stand out tremendously. This is done all over the south of Portugal in order to keep homes colder during the hot summers, an idea brought by the muslims, who were used to rigorous heat.

There are many landmarks worth visiting, such as the aforementioned roman temple, the Évora Cathedral, the public library, other numerous churches, King Manuel’s Palace, Giraldo Square and the chapel of bones which, as the name suggests, is built entirely out of human bones.

The cousine, like in the rest of alentejo, is excellent. Traditionally, it is routed in pork, lamb, olive oil, bread and various spices which come together in dishes like açorda, cação soup, and various game dishes. In terms of bakery and sweets, there are egg-based pastries, almonds and many others.

SÃO LOURENÇO DO BARROCAL

 

_MG_7675

 

_MG_7678

_MG_7643-2

_MG_7637

_MG_7636

_MG_7635

_MG_7661

_MG_7633

 

IMG_3508

_MG_7671

_MG_7667

IMG_3561

_MG_7632

_MG_7641

_MG_7708-2

_MG_7628

_MG_7622

_MG_7621

_MG_7606

_MG_7615

_MG_7614

_MG_7623

_MG_7616

_MG_7609

_MG_7613

_MG_7592

IMG_3590

_MG_7693

_MG_7706

_MG_7683

_MG_7690

_MG_7687-2

_MG_7686

_MG_7691

IMG_3649

_MG_7695

_MG_7705

_MG_7591

_MG_7587

_MG_7645

_MG_7713

_MG_7642

 

Situada no sopé da Colina de Monsaraz e nas proximidades do lago de Alqueva, esta Herdade, que pertence à mesma família há mais de dois séculos, foi transformada em um hotel de luxo onde a alma e características da propriedade agrícola e monte alentejano estão totalmente preservadas.

No século XIX, este monte era uma pequena aldeia agrícola, dinâmica, cuja produção de cereais, legumes, vinho e criação de gado garantia o sustento das 50 famílias que aí residiam o ano inteiro.

Atualmente, José António Uva, que pertence à oitava geração da família é o promotor de São Lourenço do Barrocal.

Tendo passado grande parte da infância nesta herdade ouvindo histórias da família, ficou determinado a trazer de volta a comunidade local, respeitando o seu ecossistema e história. Surge então este hotel de luxo despretensioso, no seio de vinhas, azinheiras e oliveiras centenárias.

 

Located on the foot of the Hill of Monsaraz and around lake Alqueva, this homestead, which has been in the same family for over two centuries, was turned into a luxury hotel where the heart and soul of the locations rural nature are almost completely preserved.

During the 19th Century, this small yet dynamic village was home to about 50 families year round, whose livelihood revolved around the production of cereal, vegetables, wine and livestock.

Nowadays, José António Uva, an eighth generation descendant, is the main promoter of São Lourenço do Barrocal.

He spent most of his childhood in that very homestead, growing up with tales from various family members. This sparked a determination to bring new life to the rural community, while still respecting its ecosystem and history. That’s where this down to earth hotel, right in the middle of vineyards and centuries-old holm oak and olive trees.

NAZARÉ

 

01

02

03

05

04

06

07

08

09

10

12

13

14

15

16

17

18

_MG_4428

22

23

26

27

28

29

30

32

33

34

36

50

42

40

47

cópia de _MG_0948

cópia de _MG_0939

48

45

44

41

37

49

51

52PHOTOS: Luciana Pinto

ENGLISH:

Nazaré is a portuguese town, that has grown from a fairly small fishing village to a tourist hotspot, one of the first in Portugal.

One interesting tradition held by the local women is the use of seven layered tops and skirts, which helped protect them from both the cold and water as they waited for their husbands and sons, who were fishing for the day, to return to shore.

These skirts, along with the flannel shirts and black berets typically worn by men, made for a unique look to these people, a look that, during the 1950’s and 60’s, attracted many photographers and other artists, including names such as Lino António , Jorge Barradas, Stanley Kubrick and Cartier-Bresson , who would document the daily lives of the people of Nazaré.

In fact, these outfits can still be seen today, with women sewing fishing nets or drying out fish by the sand, near small, colorful boats.

That being said, it’s impossible to bring up Nazaré without talking about its waves. As of now, the largest wave ever surfed took place in Nazaré’s Praia do Norte (Northern Beach), this record was set by Garrett McNamara in November of 2011. It’s this world-renowned seaside that has become a challenge for big wave surfers from all corners of the world, which in turn drives major traffic to the town as whole.

For those more interested in what food these waters have to offer, you won’t be disappointed. Nazaré is a gastronomical paradise, with fresh fish, prepared in a multitude of ways, from a caldeirada nazarena (a stew with various types of fish) to sardines, grilled grouper and sea bass, as well as delicious loafer, lobster and spider crab.

 

PORTUGUÊS:

 

Nazaré é uma vila portuguesa que, ao longo do século XX, evoluiu progressivamente de uma vila de pesca para uma vila turística, tendo sido um dos primeiros pontos de turismo de Portugal.

Faz parte da tradição nazarena o uso das sete saias por suas mulheres, que ficavam muitas horas sentadas no areal, esperando seus maridos e filhos voltarem da pesca. Usavam as várias saias para se cobrirem: as de cima para proteger a cabeça e ombros da maresia, e as restantes para tapar as pernas.

As sete saias das mulheres e a camisa de flanela e barrete preto dos homens atraíram, durante os anos 50 e 60, do século passado, nomes como Lino António, Jorge Barradas , Stanley Kubrick e Cartier-Bresson, que documentaram, em pintura e fotografia, o dia-a-dia do povo nazareno.

Atualmente ainda se pode ver pescadores em camisas de xadrez e as suas mulheres com sete saiotes, remendando as redes de pesca ou secando o peixe sobre o areal, perto dos seus barquinhos coloridos.
É hoje impossível falar de Nazaré sem fazer referência ao recorde mundial da maior onda já surfada, de 30 metros, estabelecido por Garrett McNamara, na Praia do Norte, em Novembro de 2011. O mar de Nazaré é um desafio para surfistas de ondas gigantes do mundo inteiro, sendo também outro grande atrativo turístico desta vila.
Para os apreciadores de peixes e mariscos, Nazaré é um paraíso gastronômico. Peixe fresquíssimo cozinhado de diferentes maneiras, desde a caldeirada nazarena (com diferentes variedades de peixes) às sardinhas, cherne e robalo grelhados e os deliciosos lavagantes, lagosta e santola.

BERLENGAS

Barcos berlengas

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

IMG_9709

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

 

As Berlengas são um pequeno arquipélago situado cerca de 10 km de Peniche, 20 minutos de barco.

As praias de Berlengas, em estado quase natural, são de difícil acesso com pequeno ou inexistente areal.

O arquipélago é reserva natural da Biofera da UNESCO desde 2011.

As aves marinhas são muito predominantes nesta ilha.

Pode-se passear pelas trilhas ou de barcos, que te levam pelas grutas, e ao Forte de São João Batista. Construído no reinado de D. João IV, servia para proteção de invasões espanholas, francesas e de piratas. Dentro do Forte existem um Hostel e um pequeno restaurante.

O Farol do Duque de Bragança construído em 1840, alimentado de início por combustíveis líquidos (primeiro azeite e depois petróleo), foi eletrificado em 1926. A partir de 2001 funciona com energia solar e ainda mantém presença de faroleiros.

No pequeno Povoado dos Pescadores existe um restaurante, e mais acima um pequeno parque de camping.

 

PORTO COVO

IMG_8373

IMG_8010

IMG_8007

IMG_8003

IMG_8008

IMG_8040

IMG_8042

IMG_8084

IMG_8049 2

IMG_8083

IMG_8002

IMG_8025

IMG_8014

IMG_8016

Porto Covo é uma pequena e simpática vila na Costa Vicentina.

Nos restaurantes e “tasquinhas” podemos provar peixes como o sargo e o carapau. Há também muitas lojinhas de artesanato. No final do centrinho de Porto Covo está a Praia Pequena, um minúsculo areal encravado na falésia, onde pode-se admirar um fantástico pôr do sol.

Praia do Espingardeiro e Praia dos Buizinhos são pequenas praias na costa, recortadas por rochedos criando espaços ambientes quase selvagens. A temperatura da água atlântica pouca baixa 15 graus C, considerado paraíso em tempo de férias.

A Praia Grande está situada a 160 km de Lisboa e é uma das mais procuradas por locais e turistas, considerada por alguns/muitos como a praia urbana dos turistas de Lisboa

LISBOA – Graça

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

IMG_6938

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

Na mais alta colina da cidade de Lisboa, junto ao Castelo de São Jorge, está situado o Bairro da Graça .

Este bairro histórico foi construído sem planejamento urbanístico, com uma malha urbana bem variada – com vilas operárias, largos, miradouros, residências para turistas e residentes – nota-se uma população muito diversificada.

Os seus dois Miradouros tem vista de tirar o fôlego sobre a cidade: o Mirador da Graça, que tem um quiosque e uma esplanada para apreciar o pôr do sol ao final do dia, e o Mirador Nossa Senhora do Monte que está mais elevado. Neles podemos observar o Castelo, suas encostas, a Ponte 25 de Abril sobre o Rio Tejo e ao longe até se avista a Basílica da Estrela que fica em outra colina muito mais distante.

AÇORES – SÃO MIGUEL

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

_MG_1620

_MG_1619

OLYMPUS DIGITAL CAMERA_MG_1569

_MG_1568 2

_MG_1553

_MG_1559

IMG_4259

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

IMG_4167

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

IMG_4153

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

_MG_1664

_MG_1723

_MG_1755

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

_MG_1840

_MG_1819

_MG_1866

_MG_1869

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

_MG_1792

_MG_1585

_MG_1578

Fotos: Luciana Pinto

AÇORES – SÃO MIGUEL

Os Açores são uma terra única. Com chuva diária e um solo rico de origem vulcânica, é uma terra no meio do oceano Atlântico com pastos verdes o ano inteiro, e uma beleza incomparável.

A acrescentar um encanto especial às ilhas, estão algumas flores, como as Hortências, as Camélias ou as Azáleias, usadas como divisões naturais de propriedades, como quebra-ventos ou simplesmente fazem bordas nas estradas.

É precisamente neste arquipélago, famoso pelas boas pastagens e vacas criadas ao ar livre, que nasceu o “Programa Leite de Vacas Felizes”. Em São Miguel atinge-se quase a média de uma cabeça de gado por pessoa, sendo a agropecuária uma das principais fontes de rendimento da região.

As duas únicas plantações de chá com fins industriais da Europa ficam na ilha e, com uma produção anual de cerca de 50 toneladas, são hoje também um produto turístico.

A cultura do ananás (abacaxi), originário das Américas, foi introduzida na ilha de São Miguel no século XIX, concentrando-se a maior parte da produção nos arredores da cidade de Ponta Delgada. As plantas são cultivadas em estufas de vidro caiado de branco e alguns produtores permitem a visita gratuita aos locais.

O cozido da Lagoa das Furnas é um dos pratos mais emblemáticos da ilha. Os vários ingredientes são colocados numa panela, que é enterrada no solo junto às caldeiras, levando cerca de cinco horas para serem cozidos pelo calor natural emanado da atividade vulcânica. Provar o cozido das Furnas, no próprio local, é uma experiência indispensável a quem visita a ilha.

Os inúmeros miradouros oferecem uma vista magnífica sobre um oceano povoado por cachalotes, baleias, golfinhos, tubarões… Pode-se nadar nas suas piscinas naturais, remanescentes da atividade vulcânica. Também nestes miradouros podemos vislumbrar as várias lagoas da Ilha de São Miguel, todas elas localizadas em crateras de vulcões adormecidos.